sexta-feira, 22 de março de 2013

Let's go to a place where we can be alone and get some rest. ( Mark 6:31)

Se Paris fosse de algodão doce, ele seria... experimente tentar fazer marrom claro usando tinta guache. Pegue cinza, depois vermelho e mergulhe o pincel em um copo cheio de água. É a cor de Paris. Como é bom sentir frio! Paris é uma geladeira que te contamina com vida! Absurdamente, a cidade da luz é gigantescamente monumental. Quase tive de me beliscar para sentir na realidade onde eu poderia estar. E ainda tem as gostosuras. Por entre prédios gigantes, barraquinhas fofíssimas e confeitarias de boneca, escondem-se maravilhas doces. Chocolate. Morangos suculentos. Tudo isto é regado a  quentíssimas e aconchegantes confeitarias de cappuccinos e cafés, porque são nos contrastes mais gritantes que as melhores coisas da vida se revelam. Ao pisar em terra firma, meus pulmões inflaram-se, inundando-se de seus perfumes. As belezas de seus rostos encantaram meus olhos. Não importa o tamanho do sonho, o sonho, ou o tempo. Sonho que se realiza sempre tem o sabor único de um waffle de nutela, o toque da brisa e o desejo desfilar. Na terra da liberdade, na época dos miseráveis, Amélie desfilei em uma pintura surrealista.


2 comentários:

Gabriel Poetastro disse...

Gosteeei demais. Fez querer mais ainda conhecer Paris. A associação às comidas foi totalmente oportuna, muito tentadora.

Talita Confusão! disse...

Muito obrigada pelo elogio Gabriel! Espero que você vá a Paris logo! Um abraço