quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Quando estoura a bolha da sola do pé...


Cena: estudante de cabelos medianos,ruivos e com mexas roxas,de altura mediana, olhos e pele claros colocando data numa folha de caderno sentada numa carteira da escola.
"Hummm... hoje é dia ... 7 de novembro de 2008 ... 28 dias... PARA O NATAL! Mas já?Meu Deus!"
(Lágrimas)
Lembro-me bem do começo deste ano. Ouvi dizer, segundo o horóscopo chinês, que este seria o ano do rato, portanto passaria ligeiro, efêmero e fulgás... um perigo em correria constante que só nos damos conta de sua existência quando enfim passa por nós. Daí pensei: "Balela! o tempo não acelera... seu ritmo é o mesmo todos os anos, não tem lógica."
E me vi cheia de sonhos, planos, vontades e novidades. Namoro novo, amigos novos. Aquele ar palpitante e quente me dava a impressão de que desta vez estaria madura e sábia o suficiente para viver intensamente os dias que me foram dados.
Balela?Faz-me rir o modo pelo qual somos constantemente traídos por nossos próprios pensamentos.Não sei se o horóscopo chinês teve algo a ver com isso, confesso que não ando muito mística ultimamente. Sei que é normal fazer planos e frustar-se diante de nossa pequenez perante a vida, isso é óbvio. Mas esse ano foi anormal para mim.Foi um ano de viver na corda bamba, economicamente ou pessoalmente falando.Foi o ano da indecisão... (da carreira, do amor, da amizade, do que fazer) ... que decidiu o próximo futuro do mundo: na crise, nas eleições municipais, nos direitos humanos. Barac nos EUA, suspensão do casamento gay na Califórnia, o caso Eloá e Isabella Nardoni, a Guerra entre Rússia e Geórgia... O ser humano louci e frio buscando desesperadamente a salvação para o mundo furioso e quente, muito quente. Ao meu ver a solução para o aquecimento global é a seguinte: sugar a frieza e a desvalorização da vida dentro de cada coração humano, estocar num recipiente gigantesco e lançar sobre a atmosfera pelante. Pronto! Corremos até o risco de voltar à Era Glacial!
Tantos aniversários... a Constituição de 88, o histórico ano de 68, a imigração japonesa, o Machado de Assis,etc... Tanta vela soprada para comemorar tanta falta de vida!
Satatus: Meu peito queima por dentro com a dor (gigantesca dor) de todos os tombos que participei ou presenciei em 2008; dói cada veia por tudo que deixei de fazer, de amar, de sorrir; arde em mim o rosto de quem deixei para trás, de quem deixei com fome, de quem deixei com sede e frio.Me apunhala cada virtude minha que contradiz, por mim mesma e me tornei tão igual; cada lugar que deixei de estar; cada 'bom dia' que não desejei. AH! Perdi tanto! E apenas arrepender-se seria fácil demais. Sinto-me então anestesiada que me torna impotente diante do tempo que desperdicei, e com "saudade de tudo que eu ainda não vi".
Agora já é novembro e o ano do rato passou quase voando por mim, entrou num buraco na parede da minha própria casa, sem que eu, já caída no chão, pudesse apanhá-lo.
O ano de 2007 foi perfeito e completo demais, 2008 tinha mesmo de ser tão dolorido: é a lei do maldito equilíbrio vital e muito prazer só se cura com muita dor. Não entendo qual o pecado em estar tão feliz. Só sei que a vida trabalha para mesclar uma pitada de dor e uma pitada de alegria em cada curva que temos pelo caminho. Deve ser só para isso mesmo: sangrar,sangrar e sangrar e vermos, humildemente o quanto somos insignificantes diante das forças ocultas. Vai ver a vida é sado-mazoquista, visto que dói em mim e reflete nela, porque se eu deixo de existir a vida também some.
Mas ainda é novembro e tudo isso já me dói...e me grita,e me chora..e me chama....

2 comentários:

the sweetest thing disse...

Eu daria tudo pra voltar pro início do ano, dia 22 de janeiro, especificamente. Teria feito tudo diferente.

(se bem que tenho uma teoria que, se pudéssemos voltar no tempo, faríamos tudo exatamente igual)

Enfim, já que não dá pra voltar, que acabe logo, não acha?

PS: Dayane da sala :P

Talita Confusão! disse...

Concordo Day.Que acabe logo.Que o tempo consuma nossa impotência diante dele!
Beijos gatã