quinta-feira, 28 de maio de 2009

Sobre as mãos.


Estou apaixonada pela forma de suas unhas e pelo belo caimento que há entre elas e seus dedos longos. Amo suas unhas vermelhas. Pintadas è renda. Com patinhas e flores... Amo suas unhas de graxa, cheirando a óleo diesel. Amo unhas sujas de terra, cobertas de massa de bolo, escondidas atrás de nuvens de espuma. Amo suas unhas ruídas ou crescidas, ou o barulho que elas fazem no cortador de unhas. Odeio o barulho áspero que o contato de uma unha lascada faz ao roçar-se num pano. Amo suas linhas de futuro na palma da mão. Amo as palmas que alisam esculturas, que circundam martelos, que lixam a madeira, que limpam a casa, que bordam vidas em toalhas. Amo o violão dedilhado por ti. E o barulhinho do som do teclado esmagado por seus dedos. Falando em dedos... Gosto também de cada dobrinha de pele que há em seus contornos e esconderijos. Amo tocá-las com as pontas dos meus dedos. Amo suas veias, seus músculos e seus tendões pulsando entre minhas mãos pequeninas. Sou apaixonada pelo encaixe perfeito dos seus dedos nos meus. Amo teu calor do toque. Amo seu toque acariciando outros corpos. Estou apaixonada pelo orgulho que é desfilar com você de mãos atadas e da coragem que esse entrelaçamento desperta.Gosto das mãos que descobrem coisas no escuro, que são os olhos do cego, que pariram a criação do homem. Amo me perder nos labirintos de tuas digitais e nunca conseguir encontrar a saída que a água encontra ao escorrer por seus dedos. Amo os poros da sua pele de vida, e adoro quando eles parecem ter sido feitos para apenas beijar os poros das minhas mãos. Amo os beijos na mão e o respeito calado que ganha significado. Gosto das palmas de aniversário, dos socos no ar na comemoração de um gol... Dos socos de raiva, das palmadas de um pai. Dos apertões nas bochechas e na cintura. Gosto das mãos que dão nós em cabelos, que massageiam nucas e aliviam um dia tenso de trabalho. Amo tudo que uma mão diz sem pronunciar alguma palavra e do “evitar” berrado por mãos que não se encaixam ou pelo “ pra sempre” da vida real por trás de mãos num perfeito encaixe. Mãos que fazem guerra... e assinam acordos de paz. Mãos que socam ou mãos que acariciam. Djavan cantou que o amor é um grande laço...e a alma de um laço fica no nódulo que une as duas extremidades distintas e as transformam em uma só. Mãos são os nódulos de todos os possíveis laços. Mãos estão grávidas de amor.

2 comentários:

Chiz disse...

Mãos dizem olá e adeus; mãos criam demônios e deus; mãos viram/reviram infernos e céus...

primaverasdesetembro disse...

Queria ter apenas áquela mão.de sorte talvez encontre uma igual.who knows?

flores ao mundo moinho.