terça-feira, 10 de agosto de 2010

Aos livros.


Como o homem foi capaz de inventar uma coisa tão fantástica quanto os livros? Sinceramente essa dureza diária e extensa ganha sentido quando chego em casa tarde da noite, tomo um banho cheiroso, molho os cabelos que é para expulsar a fumaça, como uma comida quentinha, com gosto de mãe... e depois de tudo isso deito naquele sofá iluminado e me escondo atrás das páginas de um bom livro. É no fim da noite que meu dia nasce. Livro é o meio de transporte para o mundo sozinho, em que posso ser tudo, sem cansaço e ainda beber da fonte da beleza que os olhos enxergam, que é pra enfeitar a rotina. Livro é minha luda-de-mel de cada dia, um atalho para a liberdade no meio do sufoco. Meu descanço. O tirar dos sapatos apertados e quentes. Minha prece antes de dormir. Benditos e perpétuos sejam os livros bem escritos!

2 comentários:

Talita disse...

Amém!
Também amo essa invenção dos deuses!
E nada de e-book, livro tem que ter cheiro, páginas, peso...

Beijosss

LuiS disse...

"existe mais paixão dentro de um livro do que qualquer par de coxas."

essa foi pesada, mas eu gostei muito.

aos livros!